1920x350
041021-N8-October-Giveaway-portuguese-1920x350
Royal Pag

Geral

Em entrevista, Yuri Martins relembra momentos marcantes da WSOP em 2019 e disputa pelo topo: “a busca é interminável”

Melhor jogador do mundo abordou alguns temas em entrevista ao PocketFives

Publicado

em

Yuri Martins

O craque Yuri Martins está na Costa Rica, fazendo a quarentena obrigatória para poder entrar nos Estados Unidos e disputar uma tão esperada WSOP. Junto de sua família, o craque tem planejado alguns dos novos passos e quer fazer ainda mais história na série. Mas ele também encontrou um tempo para dar uma boa entrevista ao PocketFives.

Líder do ranking há mais de seis meses, Yuri tem recebido um reconhecimento mais do que merecido de toda a comunidade. Fazendo um ano de 2021 brilhante, ele aproveitou para relembrar um dos fatores que o fizeram seu rosto ser conhecido mundialmente, a WSOP em 2019.

O brasileiro jogou por muito tempo na mesa da TV do Main Event e não precisou de muito mais que seu talento e carisma para roubar todos os holofotes para ele, mesmo com Daniel Negreanu na mesa. Ele relembra: “fui escolhido aleatoriamente para jogar naquela mesa e foi muito bom, muito divertido. Consegui dominar bem o jogo e ainda me divertir com aqueles companheiros de mesa”, conta.

O primeiro bracelete de Yuri Martins, em 2019

O líder do ranking do PocketFives ficou muito tempo em evidência e terminou o Main Event na 28ª colocação, para um prêmio de US$ 261.000. Foi naquele ano, também, que o profissional do 9Tales levou seu primeiro bracelete, colocando-o de vez na história do poker nacional, além de todos os seus resultados no online.

Único brasileiro a possuir dois braceletes hoje em dia, o agora embaixador do partypoker também falou sobre seu caminho para chegar ao posto de melhor jogador mundo:

“Sempre quis e quero estar no topo. O que aconteceu é que por um longo período da minha carreira me afastei dos MTTs para jogar PLO cash games e Mixed Games. Por causa disso, não poderia estar no topo dos MTTs. Depois de um tempo, fui convidado para ser treinador e parceiro da bitBBrazil, o que me fez estudar novamente os torneios e automaticamente querer jogá-los novamente. Desde então, tenho dado o meu melhor e tido os melhores anos da minha carreira.”

LEIA MAIS: Anatoly Filatov concretiza back-to-back na FT do Super MILLION$ com segundo título e maior prêmio da carreira

Com um ano de 2021 irretocável, o brasileiro não sai da liderança há 26 semanas (já iniciou a 27ª). O fato o deixa satisfeito: “estou muito feliz por estar em 1º lugar por tanto tempo. Acredito que houve uma grande mudança na minha mentalidade depois de ganhar alguns títulos. Passei a jogar com mais liberdade, não querendo provar nada para ninguém. Ao mesmo tempo, evoluí muito tecnicamente com meu grupo de estudos. Acho que não evoluí tanto em nenhum momento da minha carreira e nunca estive tão feliz jogando poker. A combinação disso e de outras coisas me ajudou a chegar lá”, explica.

Sabendo do risco de deixar o primeiro lugar do ranking por conta da sua estadia em Las Vegas, Yuri Martins ainda conta que isso será um novo combustível: “nunca amei tanto jogar torneios como hoje em dia. Hoje em dia, jogo apenas por performance, pensando em tomar as melhores decisões em todas as ruas e dominar minhas apostas o máximo possível. Sou uma pessoa competitiva, isso é muito excitante. Esta busca é interminável e eu adoro isso. Eu não me vejo fazendo mais nada”, finaliza.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #20 do Depois do River:

Geral

Como o poker ajudou o Melhor Pudim do Mundo a ultrapassar a marca de R$ 1 milhão em vendas

Popularização da sobremesa começou nos torneios mais famosos da modalidade, do Brasil às Bahamas

Publicado

em

Postado Por

André e Adriano Akkari

Um esporte de cartas que ganhou o mundo a partir do Velho Oeste dos EUA ajudou o Melhor Pudim do Mundo, uma das principais marcas da tradicional sobremesa brasileira, a se tornar tão popular ao ponto de alcançar a marca de 15 mil pudins feitos por mês e R$ 1 milhão em faturamento.

A ligação começou com uma brincadeira entre irmãos: o chef Adriano Akkari levou um pudim em um evento de família e brincou que ele tinha preparado a receita. Seu irmão, o campeão mundial de poker André Akkari, sempre foi apaixonado por este prato e disse que aquele era o melhor pudim que ele havia provado até então. Foi aí que Adriano revelou que aquela receita não era a dele e o desafiou.

LEIA MAIS: Após polêmica com ações de Hellmuth, André Akkari é contundente e dá lição sobre comportamento e imagem nas mesas

“Você disse que esse é o melhor pudim do mundo porque ainda não provou o meu”. O chef então começou a ir em busca da melhor receita até chegar em uma fórmula secreta que leva ingredientes importados especialmente selecionados, além de utilizar uma técnica inovadora que evita a perda da calda durante o transporte. A receita depois foi aprovada por André, que concordou que o pudim do chef é que era o melhor do mundo e o incentivou a tornar um negócio.

André se comprometeu tanto com a popularização que a cada torneio que disputava, tanto no Brasil quanto no exterior, fazia questão de falar da receita de Adriano para os outros jogadores. Logo começaram a surgir as encomendas e, com a aprovação, os poker players espalharam a notícia para seus familiares e também para os funcionários de suas equipes e clubes de poker por todo o Brasil. Hoje, o Melhor Pudim do Mundo é uma das – senão a mais conhecida – mais populares sobremesas no universo do poker brasileiro.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio do Depois do River #22:

Continue Lendo

Geral

Explosão na mesa final da WSOP ganha imensa proporção e causa problemas até em casa para Phil Hellmuth

Jogador prometeu melhorar após ver repercussão de sua família

Publicado

em

Postado Por

Phil hellmuth

O assunto da semana foi mesmo o show às avessas de Phil Hellmuth na mesa final do Evento #19 Seven Card Stud, de US$ 10.000. O americano tentava conquista seu 16º título da série, da qual já é o maior vencedor, mas sua habilidade no jogo acabou ficando em segundo plano.

O que roubou a atenção de todos foi seu mau comportamento durante toda a decisão. O “Poker Brat” passou do ponto, com xingamentos exaustivos, reclamações a todo tempo, palavrões e muitas outras coisas ruins. Ele caiu em quarto, não alcançou o título, e os dias seguintes foram piores.

A repercussão de suas atitudes foi enorme. Diversos membros da comunidade do poker criticaram a ação de Hellmuth, incluindo nomes de grande peso no cenário. Até André Akkari pareceu indignado com o que o “Poker Brat” havia feito naquela ocasião. Ter a mídia em cima sempre fez parte do personagem, mas dessa vez as consequências foram maiores.

LEIA MAIS: WSOP: Daniel Lazrus escapa de zagueirada insana no heads-up, fatura o Millionaire Maker e segundo bracelete em 2021

O mau comportamento do americano tornou-se tema em sua própria família, em sua própria casa, e o que se deu com isso acabou deixando Hellmuth em uma situação bastante desconfortável. Em um de seus tweets, ele pareceu arrependido de suas ações:

“Minha mãe e meu pai ficaram com vergonha / raiva de mim… Meus amigos me disseram que eu estava fora da linha. Depois de 44 horas ridicularizado nas redes sociais, e percebendo que meus discursos são um mau exemplo para os jogadores de poker em todos os lugares, acho que posso melhorar MUITO. Posso não ser perfeito, mas posso ser melhor…”

Mesmo com diversas pessoas ainda defendendo essa faceta do personagem Phil Hellmuth, a enorme repercussão negativa parece que ligou um alerta no maior campeão da WSOP de todos os tempos. Será que teremos um jogador mais polido nos próximos torneios ou a primeira bad beat vai reativar o descontrole?

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #22 do Depois do River:

Continue Lendo

Geral

Após polêmica com ações de Hellmuth, André Akkari é contundente e dá lição sobre comportamento e imagem nas mesas

O embaixador brasileiro explicou seu ponto de vista com uma aula sobre como agir

Publicado

em

Postado Por

André Akkari

Um craque não pode ser um craque só no jogo. Quando se está em evidência, todas as ações tomadas por alguma pessoa midiática tomam proporções imensas e acabam provocando reações, sejam elas boas ou ruins. Por isso, é esperado que quem está sob os holofotes faça o possível para ajudar a imagem do esporte em questão.

No poker, um esporte que nem sempre foi bem aceito pelas pessoas e que vive constantemente buscando uma melhor imagem, isso é ainda mais crucial. No entanto, alguns jogadores preferem ter um estilo próprio que foge um pouco do que se espera dos maiores nomes. Phil Hellmuth sempre foi falastrão, mas nesta semana ele passou do ponto.

Jogando a FT do Evento #19 da WSOP, o maior campeão da série mostrou um comportamento totalmente contrário a uma pessoa normal. Ele soltou diversos palavrões, xingou, atacou o dealer, reclamou e chorou em diversos momentos, deixando até constrangidos os outros participantes. É claro que não pegou bem.

LEIA MAIS: Yuri Martins e Bruno Volkmann mantêm domínio brasileiro na ponta do PocketFives

Diversas pessoas, incluindo companheiros de profissão, não concordaram com a atitude do americano e passaram a pedir medidas contra esse tipo de comportamento. Sendo um dos maiores nomes da história, espera-se que Hellmuth seja um bom embaixador do esporte, mas não foi isso que se viu.

Vendo a polêmica, o craque brasileiro André Akkari aproveitou para se manifestar, sem citar o americano. O embaixador do PokerStars e do poker brasileiro deu uma lição sobre como o comportamento na mesa é importante para a imagem do poker, cobrou atitudes e deu uma aula sobre como ser um verdadeiro embaixador:

“Cada vez que você é rude na mesa de poker, você assusta os jogadores recreativos. Chamar as pessoas de ‘idiotas’, chorar em transmissões ao vivo, jogar cartas no dealer é horrível para o jogo! O diretor de torneios tem que puni-lo.”

Antes, Akkari havia feito um tweet de que o “poker precisa de verdadeiros embaixadores”. Ele é um dos melhores nesse quesito, inegavelmente, e sabe que pode falar. Trabalhar em prol do poker sendo um dos maiores deveria ser uma honra. E mesmo que o personagem Hellmuth seja famoso por seu comportamento, há de se tomar cuidado para não exagerar.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #22 do Depois do River:

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS