MUNDO_POKER-GRANDE
120921-n8-September-Giveaway-v2_MPA_portuguese_1920x350
Royal Pag

Blog do Montanha de Cartas

Não deixe o seu ego destruir o seu castelo no poker. Você é sim o seu maior inimigo neste esporte da mente

Todo o trabalho de uma vida pode ser destruído por falta de autocontrole

Publicado

em

É amigo leitor, estou longe de ser um jogador vencedor no poker. Me dediquei infinitamente mais ao jornalismo do que ao jogo, mas sou um apaixonado por esse esporte da mente e muitas vezes nas minhas incursões em torneios, seja eles online, ou presencialmente, algo que me tira o sono é quando acabo constatando que perdi para mim mesmo.

As vezes é um erro bobo causado pelo cansaço, um blefe mal sucedido que claramente não iria passar, mas o pior é quando o meu ego acaba me sabotando. É difícil de fazer essa analise e constatar essa falha interna, mas sim, muitas vezes acabamos sendo eliminados de um torneio porque estamos ou com o ego inflado demais ou com ele machucado, algo que reflete em péssimas atitudes na mesa.

Confira esse artigo de como jogar pôquer escrito para o site Cassinos Online

Para o jogador de poker, o ego acaba se tornando o mesmo que os moinhos de vento para Dom Quixote. É algo como um inimigo invisível, mas brutalmente assassino. E olha, todo atleta desse nosso joguinho tem esse sentimento dentro dele. Os mais vencedores, geralmente conseguem controlar bem as atitudes e se tornam aquele jogador sólido, os verdadeiros cubos de gelo na mesa, mas eles são a grande minoria.

Neste cenário dos homens de gelo do poker, o Brasil ganha um destaque com o dono de dois braceletes da WSOP, Yuri “TheNERDGuy” Martins. Antes do curitibano se tornar uma verdadeira unanimidade no cenário mundial do esporte, ele venceu o LAPT Grand Final de 2015 em um heads-up épico contra Afonso Henrique.

Yuri é um dos jogadores que melhor controla as emoções no jogo

Quem acompanhou na época certamente se lembra que o adversário de Yuri tentou de todas as formas desestabilizar ele. Foram muitas falinhas, gestos, muitas vezes apelativos, mas “TheNERDGuy” permanecia imóvel, sem esboçar reação. No final, um abraço fraternal entre os dois selou a esportividade e Yuri ficou com o prêmio de R$ 650 mil.

Outro brasileiro que treina bastante o autocontrole é Alexandre Mantovani, o “Cavalito”. Ao lado da esposa, Thais Dresch, os dois militam no processo de treinamento mental do jogador de poker já algum tempo, tanto que criaram uma escola de poker voltada justamente para isso, a Poker Mind School.

EVITE ESSES ERROS

Uma mesa de um torneio de poker geralmente tem nove jogadores. Imagine você, um amador apaixonado pelo jogo, resolveu pagar o buy in de um grande torneio e acabou sentando na mesma mesa de um conhecido jogador.

Essa é uma das coisas que mais me atraem no poker. Em qual esporte do mundo você pode disputar uma partidinha com um craque, um profissional ou um campeão já reconhecido, mesmo você ainda dando os primeiros passos.

Pois bem, se um dia isso acontecer, não caia na tentação de tentar ganhar um pote importante desse seu ídolo apenas para contar no seu home game semanal o que aconteceu. A sua mesa tem pelo menos outros sete jogadores e não me parece uma atitude sensata jogar justamente contra o melhor. Segura a onda, ou melhor, segura o ego.

METAGAME

Você já deve ter ouvido falar de metagame ou level no poker. Isso é um fator bastante comum no jogo e pode ser extremamente perigoso. Depois de um histórico de mãos, os jogadores podem passar a imaginar o que o adversário pode estar armando ou pensando em uma jogada, e fatalmente muitas vezes as analises podem ser erradas e gerar erros gravíssimos.

LEIA MAIS: Felipe Boianovsky leva bad beat com QQ e cai na mesa final do GGMasters High Roller; Jean Guimarães fica em 9º

Tome muito cuidado com o metagame, seja ele no jogo ao vivo ou no online. Pegar birra de um determinado jogador é algo comum depois de horas na mesma mesa. Um fator que certamente não vai fazer bem para o jogo.

Quando estamos falando de poker presencial, muitas vezes diversos fatores externos podem contribuir para esse metagame e atrapalhar mais ainda. Seja porque o cara não para de comentar as jogadas, sempre dizendo o que foldou, ou porque possui uma risada espalhafatosa ou ainda porque não respeita o dealer ou os jogadores.

 NÃO RESGATAR HISTÓRICO DO PASSADO

As vezes no poker é importante não ter uma boa memória. Apesar de o número de jogadores crescer exponencialmente a cada ano uma coisa que percebo ao menos no field de torneios ao vivo de São Paulo é que quase sempre encontramos os mesmos atletas.

Ter uma boa memória é importante para definir precocemente a maneira de jogar dos adversários, no entanto relembrar bad beats sofridas não parece um bom negócio. Ficar remoendo o inevitável por semanas é algo dolorido e sem sentido, além disso, pode prejudicar o jogo futuro.

Com o ego machucado por conta de uma bad beat, você pode e vai acabar querendo descontar a dor que sofreu, procurando em outra oportunidade causar a mesma angustia no adversário e é aí que mora o perigo. Desse jeito, acabamos fugindo do nosso jogo normal, arriscando com mãos marginais e podendo colocar todo um torneio em risco.

NÃO EXISTE SEXO FRAGIL

Se você já acompanhou algum texto deste espaço sabe que a minha mulher é jogadora de poker, além de apresentadora do Baralho Pergunta. Foi ela quem me chamou a atenção para um erro comum do ego dos jogadores de poker homens.

A grande maioria deles não aceitam perder para mulher. Mesmo com grandes jogadoras de poker despontando todos os dias tanto no Brasil quanto no mundo, o machismo impera forte no nosso jogo.

É notório que muitos quando encontram uma jogadora do sexo oposto na mesa tendem a acreditar que elas são mais fracas, que vão acabar largando a melhor mão se forem agressivos nas apostas. Contudo, isso é um verdadeiro mito e vai acabar destruindo as suas chances de vencer um torneio.

Esses são alguns exemplos de quando o ego pode interferir no seu desempenho no poker. É fundamental prestar atenção no seu sentimento e esquecer que o poker é muito mais do que um esporte de estratégia e matemática. O fator humano sempre estará presente e é fundamental conhecer a si próprio e saber dominar os impulsos antes de tentar entender a mente do adversário.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Blog do Montanha de Cartas

Opinião: qual o real valor de um bracelete online diante daquele obtido no presencial?

Até o momento o Brasil tem 14 braceletes, oito deles foram no online

Publicado

em

Que começo de WSOP Online para os brasileiros hein. Em duas semanas foram quatro títulos, além de varias traves. Não tem como não lamentar as medalhas de prata do Renan Bruschi e do Felipe Mojave. O embaixador da GGPoker inclusive atraiu milhares de espectadores no canal dele na Twitch durante mais de 12 horas de transmissão, eu fui um desses, invadi a madrugada de uma segunda-feira na torcida pelo papaizinho.

Mas todo esse sucesso tupiniquim gerou um debate que anda inflamando muitas transmissões, até mesmo as do MundoTV ou do programa Depois do River. Até que ponto o ganhador de um bracelete online pode se considerar campeão mundial? A joia conquistada de forma presencial vale mais do que a obtida atrás de uma tela de computador?

Esses dias ouvi um comentário muito interessante sobre o assunto do nosso editor-chefe, Ytarõ Segabinazzi. Ele disse algo mais ou menos no sentido de que o bracelete online é como se fosse o coelhinho da páscoa ou o papai Noel. Se a pessoa acreditar que ele vale um título mundial, então a conquista tem esse valor, do contrário, se torna folclore, ou apenas história.

Pode até parecer piada, mas o que disse o big boss do Mundo Poker é uma grande verdade absoluta, não tem como fugir isso. O valor histórico de uma conquista quem faz é o próprio ganhador e toda a comunidade. Só não dá para negar que existem diferenças cruciais entre um bracelete obtido em Las Vegas e outro no online.

LEIA MAIS: WSOP Online: Renan Bruschi tenta armadilhas pra cima de João Vieira e português escapa com boas leituras no Evento #13 de PLO

Uma vez um conhecido profissional do poker me apresentou uma comparação entre o jogo com o monitor, mouse e teclados e aquele que envolve o tradicional baralho de papel ou plástico, o barulho das fichas e crupiês uniformizados. Para ele o online era como se fosse o futsal e o live o futebol de campo. Os dois esportes são basicamente o mesmo, mas ninguém quer unificar os títulos conquistados nas quadras com os do gramado, não é mesmo?

Também é muito possível e provável um craque do futsal se dar bem também no campo, ou vice-versa. Uma coisa não foge da outra, tá aí o Erik Seidel faturando quase US$ 1 milhão no online e a maioria dos prêmios dele sempre foram no live. A evolução do jogo bateu na porta de todo mundo, ainda mais em tempos pandêmicos, o joguinho no computador se fez obrigatório para aqueles que vivem do baralho.

Contudo, não dá para negar o charme e o poder midiático por trás de uma WSOP presencial. A fantástica estrutura do Main Event, o salão lotado, as personalidades marcantes do esporte, os banners com os grandes campeões e aquele monte de notas em cima da mesa no heads-up formaram gerações inteiras de atletas da mente.

Não existe uma resposta certa para as questões desse texto. Não dá para tirar o mérito de quem forra pesado na WSOP Online. Eles são sim campeões mundiais. Mas como diz o Bruno Henrique do Flamengo, o presencial ainda é “oto patama”. No humilde ponto de vista deste que vos escreve cada um tem um valor distinto, mas todos são conquistas louváveis, ainda mais vindas de um país que ainda sofre preconceito com o poker.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #15 do Depois do River:

 

Continue Lendo

Blog do Montanha de Cartas

Conheça a Liga Master, a nova liga do Upoker encabeçada pelo jogador paulista Marcio Kanazawa

Liga Master vai realizar neste domingo (13), torneio de 10K garantido

Publicado

em

(Crédito: Acervo pessoal do jogador)

O Upoker ganhou na última semana mais uma liga. O jogador paulista Marcio Kanazawa, conhecido no cenário live de São Paulo é o responsável pela novidade. A Liga Master iniciou os trabalhos com cinco clubes filiados e já neste domingo (13), vai realizar um evento especial com garantido de R$ 10 mil e buy in de apenas R$ 65. Essa será a principal competição da grade semanal da liga que conta com diversas outras disputas.

A Liga Master chega para somar com as outras quatro ligas do aplicativo no Brasil: United, Ultra League, Superdeck e H2 Online. Entre outros resultados no poker live, Marcio Kanazawa foi vice-campeão do Corinthians Poker Circuit, em 2013, e conversou com o Blog Montanha de Cartas sobre se tornar dono de uma liga.

“Decidi iniciar a Liga Master no UPoker por termos toda a estrutura e suporte necessários para o crescimento. Além da parceria apresentada pela equipe do UPoker, gostei muito do aplicativo que vem inovando a cada dia, o que nos permitiu sentir segurança em indicar para os amigos e parceiros pois sei que prezam pela segurança do poker online”, disse Kanazawa.

LEIA MAIS: Profissional de cash game, Allison Lindsay analisa momento especial e revela desafio a grande nome do poker mundial para HU

O agora empresário também afirmou que conseguiu um acordo justo com os clubes pertencentes a Liga. Segundo ele, o negócio vai servir para alavancar os torneios e todos crescerem juntos. Kanazawa ainda mandou um convite para os jogadores.

“A ideia da Liga Master é dar a oportunidade para que clubes possam iniciar e/ou alavancar seus negócios já de forma estruturada, e juntos, vamos construir uma grande Liga! Venha para a Master!”, finalizou.

Confira abaixo a grade completa desse domingo (13) na Liga Master:

 

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Continue Lendo

Blog do Montanha de Cartas

Admirável mundo novo do poker. Uma utopia do nosso joguinho, inspirada no clássico livro inglês

O poker sem frustrações ou injustiças

Publicado

em

Montagem com a foto da série "Admirável mundo novo"

Atenção! Antes de começar a ler essas linhas é preciso um aviso. Esse texto é uma loucura total sem muito fundamento e obviamente não estou querendo mudar as regras do poker. O motivo de batucar essas palavras é apenas traçar um paralelo do nosso joguinho com o livro inglês “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, publicado em 1932 e que recentemente ganhou uma série televisa disponível na plataforma de streaming Globoplay.

Esse inspirador romance se passa na fictícia Nova Londres no ano de 2.540. Uma sociedade distópica vive sem frustrações, com classes bem definidas, muita tecnologia e apenas duas regras: não existe privacidade e nem monogamia. A grande arma pra acabar com qualquer revolta ou sentimento ruim é o medicamento “soma”. Um simples comprimido e qualquer sentimento ruim evapora.

Imagina se tivesse esse tal “soma” em um torneio de poker? Os jogadores teriam que tomar um atrás do outro porque não existe atividade mais frustrante do que uma competição dessa. Já partimos do principio que a bolada mesmo quem vai ganhar é só um entre todos os atletas da mente inscritos e isso por si só já deixa o funil mais apertado impossível.

Só que até este momento tudo bem, faz parte, é normal, o campeão merece mesmo levar a grande fatia do bolo, mas e as injustiças que o baralho proporciona no meio do caminho? Para evitar o uso do “soma’, algumas regrinhas poderiam ser ajustadas no nosso joguinho e a primeira delas é polêmica.

LEIA MAIS: Lukas Robinson se desespera com misclick, mas acerta runner runner incrível e vence all-in quádruplo quase impossível

Obviamente no Texas Hold´em vence a mão aquele que formar a melhor combinação com cinco cartas, mas não dá uma raiva quando você tem três pares e o adversário só dois e mesmo assim ele ganha? Pra mim dá. Se tivesse “soma” eu tomaria logo uns três quando isso acontece, por isso chega! No admirável mundo novo do poker três pares vão sim ganhar de dois pares!

Ah e quando o assunto é frustração nada maior do que aquele all in pré flop onde você está na frente e acaba perdendo. Seja aquela mão que você tem 60%, 70% ou 80% de chances de ganhar. No final, tá lá, as cartas do adversário que tinha menor probabilidade de vencer deitam no feltro da mesa como se fossem facas no nosso peito.

Sacanagem! Para acabar com isso seria perfeito se essas mãos não existissem board. All in pré- flop desse novo jeito seria assim: mostram-se as cartas e acabou, quem tá na frente ganhou. Se for um coin flip honesto, daqueles QQ x AK divide as fichas e vai pra próxima rodada, chega de bad beat. No futuro vamos economizar muito “soma” jogando desse jeito.

Outra coisa que me irrita é aquelas jogadas onde todas as fichas vão pro centro da mesa e um tem A2 e o outro A3 por exemplo. Poxa, uma mão dessas tem que terminar empatado. É injusto alguém ganhar ou perder uma parada dessas. Segue a mesma dinâmica do coin-flip. Empate! Vamos jogar mais o pós-flop gente!

Tudo bem até admito que esse texto é coisa de queimado, mimimi de jornalista frustrado que não virou jogador de poker. Mas se for pra pregar um mundo mais justo que ele comece no nosso poker. Já pensou se o joguinho fosse assim? Será que ele seria tão apaixonante como é?

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS