BANNER_MUNDO_Mega_1920x350AF
WhatsAppImage2022-01-26at083226
TOPO_SITE_1920_350
BannerSite_1920x350px
WhatsAppImage2021-11-18at124217
Royal Pag

Geral

Cobrindo dois jogadores, Hristivoje Pavlovic folda AK, vai ao Twitter justificar e gera debate sobre a decisão

Australiano mostrou o cálculo feito no ICMizer para tomar a decisão

Publicado

em

Hristivoje Pavlovic

Algumas mãos de poker são sempre vistas como “infoldáveis”. Os pares mais fortes e as broadways suiteds, principalmente, sempre geram expectativa quando recebidos. Mas nem sempre a melhor decisão matemática é jogar essas mãos, mesmo quando pareça bastante tranquilo optar por isso.

Dando um belo exemplo disso, o australiano Hristivoje Pavlovic, o famoso “ALLinPav”, compartilhou uma das suas mãos jogadas recentemente na Twitch. Ele foi até o Twitter perguntar qual seria a decisão dos seguidores, dizendo que, quando foldou aquela situação, as pessoas que estavam no chat não gostaram da decisão:

“O chat ficou chateado com esse fold. Eu era 6/11 no US$215 100k garantidos com US$ 15.300 para o primeiro. O que você faz? Responda abaixo.”

A jogada foi a seguinte: o australiano abriu com pouco mais de 23 blinds, o jogador da esquerda foi para o all-in de 12 blinds e o player seguinte anunciou all-in por cima com pouco mais de 14. Com , Pavlovic foldou. Como pedido, muitas respostas apareceram após a postagem, com respostas divididas entre call e fold.

Os que pendiam mais por pagar explicavam sobre estar cobrindo dois adversários, a força da mão por si só e a chance de ficar com um grande stack no torneio. Os que estavam contra, colocavam o ICM como justificativa e a força da jogada dos rivais, com 3-bet e 4-bet imediatos. Na jogada específica, os adversários possuíam AQ, mas não havia como o profissional saber.

Para deixar a discussão concreta, o “AllinPav” fez o cálculo da jogada no ICMizer, um dos softwares mais usados pelos profissionais para estudar as decisões. No programa, o resultado indicado é que o melhor a se fazer era mesmo foldar, devendo pagar apenas com AA, KK e QQ, levando em conta o ICM envolvido.

Mas como o poker abriga muitas variáveis, nem a matemática as vezes é capaz de mudar a opinião de algumas pessoas. O alemão Dominik Nitsche, dono de 4 braceletes da WSOP, continuou dizendo que daria call e argumentou sobre os motivos, falando que pelo valor futuro e pelo “edge” sobre os adversários, ele tomaria a decisão contrária.

O que você faria?

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Geral

Phil Hellmuth vence revanche contra Tom Dwan em novo grande duelo e recupera cinturão do High Stakes Duel

O maior campeão da WSOP voltou a ser o dono do High Stakes Duel e garantiu US$ 400 mil

Publicado

em

Postado Por

Phil Hellmuth

Foram sete vitórias consecutivas para Phil Hellmuth no High Stakes Duel. O duelo de heads-up entre o maior campeão de todos os tempos da WSOP e outros desafiantes só conhecia um campeão até 2021, quando o algoz Tom Dwan surgiu no caminho. O “Durrrr” foi o primeiro a vencer Hellmuth na competição, na oitava partida, e passou a ser o nome a ser batido.

Mas é claro que o antigo dono do posto não deixaria barato. Pouco depois da derrota, o Poker Brat já anunciava que iria fazer questão da revanche, que valeria um total de US$ 400 mil e o lugar no trono do High Stakes Duel. Pois bem, a partida aconteceu nesta última quarta-feira e as coisas voltaram a ser como eram.

LEIA MAIS: KSOP Fortaleza: No duelo de Midas no High Roller Light, Ramon Kropmanns leva fatiada de Gerson Braga em all in pré-flop gigantesco

Em uma partida com tudo o que se esperava, e bastante midiática, claro, Hellmuth conseguiu finalmente vencer o antigo carrasco para recuperar o lugar que custou tanto a sair. A disputa entre as duas lendas do poker foi marcada por uma boa runnada do maior campeão da WSOP, um certo azar de Dwan e, sempre, alguns tilts comuns de Phil.

A partida começou bastante equilibrada. Com tempo confortável, os jogadores trocaram algumas fichas e foi Dwan quem tomou uma pequena vantagem na liderança a princípio. Mas se a pressão de uma possível nova derrota poderia comprometer um pouco a estratégia de Hellmuth, uma boa runnada não permitiu que isso acontecesse.

Uma das principais mãos do duelo foi um exemplo disso. Com 74, o “Poker Brat” acertou uma trinca de 7 contra o TT de Tom Dwan e conseguiu puxar um grande pote, que deu uma vantagem expressiva para o dono de 16 braceletes da WSOP. Ele seguiu comandando o jogo e pouco depois resolveu as coisas.

High Stakes Duel III Round 2

“Isso é bom. Tom é apenas um dos maiores jogadores do mundo”, comentou o campeão. Hellmuth também comentou sua estratégia, dizendo que não gosta de fazer muitos blefes (e sim pegá-los), mas alterou a forma de jogo para deixar Dwan desconfortável, já que ele era realmente muito bom. Deu certo.

Na mão final, um clássico coin flip definiu a vitória para Phil Hellmuth. Seu AK superou o 88 de Dwan no board 52K66 e finalizou o confronto. Hellmuth voltou a ser o rei do High Stakes Duel. Porém, a história não terminará por aí. Isso porque Tom Dwan seguirá o exemplo do rival e já informou que exercerá o direito de revanche.

Ainda sem data para acontecer, a nova partida vai render US$ 800 mil para o campeão, o dobro do que Hellmuth garantiu ontem.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #02 do Poker de Boteco:

 

 

Continue Lendo

Geral

Jonathan Jaffe é campeão do Lucky Hearts Poker Open US$ 25.500 e garante bicampeonato consecutivo

Americano também havia vencido em 2020, mas faturou ainda mais nesta edição

Publicado

em

Postado Por

Jonathan Jaffe

Alguns jogadores de poker tem uma clara preferencia por uma forma de jogo. No caso do americano Jonathan Jaffe, ele é um dos que preferem o poker ao vivo e o profissional soma excelentes resultados na carreira. Agora, ainda ontem, Jaffe conseguiu mais um grande feito.

Ele foi o grande campeão do Lucky Hearts Poker Open, um high roller de US$ 25.500 que por si só já seria uma conquista excepcional. Nesta competição, o profissional dos Estados Unidos enfrentou um grande field de 93 pessoas e faturou enormes US$ 574.085.

LEIA MAIS: Com quadra, streamer implora por shove de rival, é atendido e se choca com derrota praticamente impossível

Mas não bastasse a grande vitória, Jaffe aumentou o feito. Isso porque ele era o atual campeão do torneio. A última edição, disputada em 2020, também havia sido vencida por ele. Na época, ele bateu os 41 jogadores do field e faturou US$ 340.285. Depois de ontem, ele se tornou bicampeão de maneira consecutiva, um feito raro.

Ele não pôde deixar de comemorar e comparar os dois: “este teve o field maior, mais dinheiro. Estou feliz com isso”, contou. Jaffe também acabou mantendo a humildade, dizendo que nunca havia runnado tão bem quanto hoje em um torneio high roller. “Eu continuava ganhando all-ins mesmo atrás e ia ganhando fichas. É uma sensação peculiar”, explica.

O profissional acertou um acordo com Joseph Cheong no torneio. Líder do HU, ele ficou com mais dinheiro, o troféu e o título de campeão. Cheong recebeu US$ 540.000 pelo vice-campeonato. Ele ainda contou um pequeno segredo que o faz se dar bem no torneio: “moro a 15 minutos daqui e adoro. Eu vou para casa para o jantar, e você simplesmente não pode superar isso”, brinca.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #02 do Poker de Boteco:

Continue Lendo

Geral

Poker de Boteco #02: André Akkari vê união do poker brasileiro como fórmula de sucesso: “diferente de qualquer lugar do mundo”

Entrevista do craque também relembrou o passado da carreira

Publicado

em

Postado Por

Lenda do poker brasileiro e um dos responsáveis por abrir um caminho poucos imaginavam ser possível, André Akkari continua imerso no mundo do poker. Morando nos Estados Unidos, mas por dentro de tudo o que acontece, o craque esteve no BSOP Millions no final do ano passado e foi um dos convidados do “Poker de Boteco”.

Com a simplicidade de costume e a facilidade de se expressar, a entrevista de Akkari teve várias passagens interessantes. Uma das primeiras perguntas de Ytarõ Segabinazzi foi sobre estar morando fora nesse período de pandemia. Sem torneios ao vivo por um longo período, o craque também não podia jogar virtualmente pelo fato do poker online ser proibido lá.

“É difícil. A melhor frase é “cada escolha é uma renúncia”. Você escolhe alguma coisa que te boicota ou não te permite fazer outras. A Flórida, onde eu moro, é a “Meca” do poker ao vivo no mundo hoje. Ela é maior que Las Vegas e qualquer outro lugar em termos de evento. No momento que fui pra lá passou muito pouco tempo e aconteceu essa tragédia mundial, acabei não podendo jogar”, lembra.

LEIA MAIS: Poker de Boteco #01: Paulo Joanello relembra a emoção do bracelete e surpresa ao chegar em casa: “nunca imaginei”

“Em contrapartida as coisas pararam aqui também (no Brasil), então não perdi tanto de BSOP e tudo mais”, contextualiza. “No online foi muito cruel pra mim. Eu vi todo mundo jogando, todo mundo curtindo, todo mundo ganhando e eu não podendo jogar”, disse Akkari. No entanto, ele encontrou uma forma de preencher essa lacuna.

“Eu fui vivendo a alegria dos outros. Eu via o Rafa ganhar e comemorava, Padilha ganhar e comemorava, Crema… foi legal. Viver a alegria dos outros também é uma grande alegria”.

Acostumado a viajar para Las Vegas e diversos torneios ao redor do mundo e agora morando nos Estados Unidos, Akkari foi perguntado sobre as diferenças do poker brasileiro para fora em questão de estrutura. Nesse momento, ele foi enfático ao afirmar que o Brasil não deve nada para nenhum lugar.

LEIA MAIS: Celeiro de grandes jogadores, Fortaleza recebe o KSOP pela primeira vez; conheça 10 destaques do estado

Após citar os responsáveis pelo BSOP, ele disse: “Eu não consigo ver organizadores de evento melhores, não consigo ver dealers melhores, jogadores melhores”.

Em outro momento, André contou sobre a contratação de Rafael Moraes pelo PokerStars e encheu o amigo de elogios, sem perder a chance de dar umas falinhas divertidas. “Família não é uma parada que você precisa nascer junto. A nossa sinergia é muito grande porque ele é uma pessoa muito do bem. Eu gosto de me conectar com pessoas de energia boa”, foram algumas das palavras.

O paulista precisou responder o que ele acha de melhor e de pior na comunidade do poker brasileiro. O que ele vê de positivo é a união e detalha como esse laço foi criado: justamente pela dificuldade da aceitação do poker no país. Isso se tornou um alicerce do sucesso na visão do craque.

LEIA MAIS: Com Michael Addamo, Vanessa Kade e Lex Veldhuis, Global Poker Awards revela os indicados em 26 categorias

“Por incrível que pareça isso ajudou o poker. Notoriamente, o poker não é um jogo de azar, mas a sociedade, se em algum momento não tivesse uma briga por ele, ia se confundir. Isso fez com que a comunidade do poker se unisse demais em volta de uma causa. Isso fez com que o poker do Brasil fosse diferente de qualquer lugar do mundo”, pontua.

Por fim, Akkari escolheu três pessoas que gostaria de sentar numa mesa de bar para tomar uma cerveja e brincou com o famoso meme “o Akkari caiu?”.

Confira o imperdível Poker de Boteco com André Akkari:

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio do Depois do River #22:

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS