Slider
Siga-nos

Geral

Sul-africano tem “momento Bruno Octávio”, tenta se consagrar com 94 e doa fichas pra Yuri Martins no US$ 25K da GGSF

Jogada ousada foi registrada pelo Mundo Poker no grind de domingo

Publicado

em

Quem gosta de futebol provavelmente lembra ou já se deparou com a emblemática narração de Milton Leite da finalização desastrosa do ex-volante Bruno Octávio no final de um Corinthians e Palmeiras em 2005. “Ele nunca fez um gol na vida de fora da área. Aí ele pensou ‘agora eu se consagro’ e pegou de tornozelo na bola”, eternizou o narrador.

Também existem alguns Bruno Octávios tentando se consagrar nos torneios mais caros do poker online. Ontem (11), no badalado Sunday Five Million da Spring Festival, com buy-in de US$ 25.500, uma mão engraçada aconteceu com Yuri Martins como coadjuvante da história. Aconteceu nos blinds 6.000 / 12.000 do torneio.

LEIA MAIS: Descanse em paz, Ruth Vianna. Você vai fazer muita falta por aqui

Além da Spring Festival, o GGPoker está com uma oferta incrível de torneios para todos os bolsos! Clique aqui para criar a sua conta e buscar a glória

O paranaense recebeu “só” do botão e deu raise para 24.000 fichas. O americano Lev Gottlieb, no small blind, deu call. Eis que a ação chegou no sul-africano Jean-Pierre Van Der Spuy, o “Kunkuwap”. Ele tinha 10 blinds com 129.500 fichas e achou que tinha um bom spot pela frente. Ele bateu no peito e anunciou all in.

Yuri deu o call e Gottlieb foldou. Assim, o personagem principal da história mostrou um sólido… ! O brasileiro não deve ter entendido muita coisa e nem sofreu depois do board para eliminar o adversário.

Van Der Spoy já foi vice de um Super MILLION$ ao perder o heads-up para Bruno Volkmann. Apesar desse bom hit, o gráfico dele revela um prejuízo de US$ 368.000 no site.

Confira:

Confira o MundoTv Cast #003 com Vini Marques:

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Geral

Felix Schneiders relaciona três coisas que odeia no poker e inclui JJ na lista

Streamer do PokerStars é mais um para o time que não gosta da mão

Publicado

em

Postado Por

Felix Schneiders

Todo jogador de poker tem suas próprias preferências pessoais nos assuntos que cercam o jogo. As escolhas podem variar desde o estilo de jogo, a estrutura de torneios, a forma de grindar, entre tantas outras. Da mesma forma, existem aquelas coisas que os profissionais do esporte preferem evitar.

Usando seu perfil no Twitter, o streamer Felix Schneiders, embaixador do PokerStars, resolveu expor três itens que ele, e grande parte dos jogadores ao redor do mundo de acordo com sua opinião, também odeiam. São coisas bastante óbvias, mas o terceiro item é sempre tema de polêmica:

“Três coisas que nós, jogadores de poker, odiamos:
1. Variância
2. Perder no river
3. Par de valetes”

LEIA MAIS: No modo “pressão”, Parket Talbot cai na gargalhada ao pegar KK, leva call de Lena900 e fica maluco com bad beat

Após assumir o “hate” pelo JJ, Felix Schneiders, o “xflixx” do PokerStars, se junta a uma extensa lista de nomes que sempre acabam indo no mito de que JJ é um par nada bom, apesar do que aparenta. Mike McDonald e Daniel Negreanu, por exemplo, são personagens que não têm o par lá muito em conta.

Por outro lado, o Brasil talvez tenha o maior defensor da mão em todo mundo. Rafael Moraes joga, e defende, como nenhum outro jogador o polêmico JJ, mostrando que a opinião do streamer não é unanimidade. O sócio do 4bet é tão certeiro sobre a mão que até enfrentando ela, ele tem o dom para vencer com tranquilidade. Qual o seu lado?

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #03 do Depois do River:

 

Continue Lendo

Geral

Maior vencedor de tríplices coroas da história, Chris Moorman conquista primeiro SCOOP em 2021 e se emociona

Lenda do poker mundial se disse bastante feliz com conquista e desempenho

Publicado

em

Postado Por

Chris Moorman

O SCOOP já acabou há algumas semanas, e o SCOOP Afterparty já assumiu seu lugar no PokerStars. Mas, mesmo assim, o principal torneio de poker online do site ainda rende boas histórias fora das mesas. Grande ícone do poker mundial, Chris Moorman deu uma entrevista ao PocketFives e revelou a emoção que sentiu ao conquistar um título, mesmo depois de tantos feitos na carreira.

O profissional inglês é uma verdadeira lenda do poker online. Ele é o maior vencedor da história em número de tríplices coroas, com incríveis 30 vezes. Moorman também se encontra hoje na quinta colocação entre os jogadores que mais ganharam prêmios em todos os tempos no poker online, com US$ 18.6 milhões, e já foi líder do ranking do Pocket Fives em várias semanas.

Seu currículo conta com muitos prêmios de seis dígitos, sendo o maior deles registrado no ano passado no GGPoker, com US$ 398.393 pelo vice-campeonato do Evento #58 da WSOP Online. Mas mesmo a extensa lista de conquistas do jogador, que inclui até bracelete da WSOP, tinha um item faltando: um título de torneio com a sigla COOP, alcançado no mês passado.

LEIA MAIS: No modo “pressão”, Parket Talbot cai na gargalhada ao pegar KK, leva call de Lena900 e fica maluco com bad beat

Moorman conseguiu seu primeiro título de SCOOP em 2021 ao cravar o Evento #45-H, de US$ 1.050. Na ocasião, ele ficou com um prêmio de US$ 78.539, depois de ter enfrentado um field de 440 pessoas e os brasileiros Pablo Brito e Bruno Volkmann na mesa final. Mais do que o valor financeiro, a conquista emocionou o inglês pela coroação da longa carreira.

Ao PocketFives, ele revelou alguns sentimentos: “Foi bom finalmente conseguir a vitória. Quando comecei a jogar, todos eram mais velho que eu. Hoje sou um dos mais velhos. São 15 anos jogando, muitos da minha época já pararam. Foi um sentimento de ‘eu ainda consigo’. E eu ainda amo o jogo”, conta. E a conquista não vai fazer parar sua carreira.

Ele acredita que pode melhorar e seguir brigando, como explica: “você tem que ser humilde e nunca pensar que está tudo resolvido. Você apenas tenta melhorar porque todo mundo também está e você precisa trabalhar pra não ficar ultrapassado”. O britânico conta que saiu satisfeito com o que produziu: “Eu me senti muito bem com meu jogo e tive resultados decentes. Minha confiança estava alta”, finaliza.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #03 do Depois do River:

 

Continue Lendo

Geral

Jennifer Harman já expulsou temido traficante de drogas da lendária Bobby’s Room, relembra Doyle Brunson

Jogadora hoje faz parte do Hall da Fama

Publicado

em

Postado Por

Jennifer Harman (crédito: PokerCentral)

Vez ou outra, o carismático Doyle Brunson usa sua conta no Twitter para relembrar momentos passados na sua brilhante carreira no mundo do poker. Nesses momentos, muitos dos seguidores são banhados com um sentimento de nostalgia ao recordar fatos já distantes e muitos outros ficam impressionados com histórias até então desconhecidas.

Na última semana, o lendário jogador americano contou uma de suas passagens na icônica Bobby’s Room, a sala onde aconteciam os mais importantes jogos de poker no passado. Em uma das ocasiões em que esteva presente, Brunson dividia o protagonismo com a jogadora Jennifer Harmann, que chamou a atenção por motivos fora do poker naquela data.

Na Bobby’s Room, um dos maiores traficantes de drogas dos Estados Unidos estava lá naquele dia. Se tratava de Jimmy Chagra, que posteriormente foi condenado pela morte de um juiz federal no país. Dona de dois braceletes da WSOP e Hall da Fama do poker, Harman estava nos panos e perdendo. E quando ela perdia, não era nada fácil, segundo Brunson.

LEIA MAIS: Relembre o call de Johnny Chan no heads-up da WSOP 1989 que surpreendeu Phil Hellmuth e até repórter

Após não conseguir ganhar mais um pote, a jogadora explodiu contra um dos floors do local e exigiu a saída de Chagra do local, não aceitando a presença do crimino no local e sem se importar com qualquer consequência. Doyle ainda conta que perguntou se ela sabia de quem realmente se tratava, ao que ela respondeu que não ligaria nem se fosse Al Capone.

“Jimmy Chagra era o maior traficante de drogas do mundo. Foi para a prisão por ter matado um juiz federal. Ele esperou 20 anos, delatou seus contatos aos federais para sair da prisão. Ele entrou na Bobby’s Room em um momento ruim. A doce e pequena Jennifer Harman estava perdendo e como todos sabem é um terror. Jennifer perdeu um grande pote, gritou para o floor e exigiu que ele fosse embora. Eu disse ‘você sabe quem é’? Ela gritou: ‘não me importo se ele é Al Capone. Eu quero aquele xxx fora daqui’. Quando ele saiu, ele disse que dava mais gorjeta do que você tem (de dinheiro) na sua frente.”

Corajosa, Jennifer fez o que muitos queriam fazer, explicando que não estava sozinha ao querer ele fora do local e não concordava com o que ele fazia. Respondendo a Brunson no Twitter, a jogadora não contou vantagem: “Doyle, o que acontece na Bobby’s Room fica na Bobby’s Room. Existem muitas histórias com muitos jogadores de poker diferentes que eu poderia contar”, disse. A coragem de Harman fora das mesas refletiu também em sua carreira, onde possui quase US$ 2.8 milhões de ganhos no poker live.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #03 do Depois do River:

 

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS