BANNER_MUNDO_Mega_1920x350AF
WhatsAppImage2022-01-26at083226
TOPO_SITE_1920_350
BannerSite_1920x350px
WhatsAppImage2021-11-18at124217
Royal Pag

Geral

Confira seis dicas de Sam Trickett para jogar high stakes

Se manter estável e se adaptar aos oponentes são boas estratégias segundo o craque

Publicado

em

(Crédito: Partypoker Live)

Sam Trickett tem uma história e tanto no poker como profissional. Experiente em high stakes, o britânico já passou por altos e baixos no esporte da mente, mas parece ter aprendido com as lições vividas sendo uma ótima fonte de experiência e conhecimento na área.

LEIA MAIS: Felipe Badotti faz mesa final no US$ 530 Bounty Builder HR e Pedro Igor vence Daily Cooldown US$ 109

Recentemente ele aumentou seus ganhos ao vencer o US$ 25.500 No Limit Hold’em do partypoker MILLIONS Super High Roller, em Sochi, e deu algumas dicas para quem deseja começar a participar de torneios com apostas mais elevadas em entrevista à PokerNews. Confira abaixo: 

1 – Esteja preparado

Quando se fala estar preparado para uma disputa de alto nível não quer dizer necessariamente ter investido em estudos – que são importantíssimos – mas também ficar atento à outros detalhes fundamentais para um bom desempenho na mesa. “Coma bem; comida saudável, que lhe dê boa energia e mantenha a mente afiada. Descanse bem e durma oito horas todas as noites”, falou.

2 – Pratique antes

Além dos estudos e dos hábitos saudáveis existe mais um fator essencial para ajudar na sua preparação para o high stakes. “Às vezes eu jogo quando estou enferrujado, e isso afeta enormemente meu desempenho. Ao jogar torneios que antecederão o grande evento que você quer jogar, você fica afiado”, aconselhou o player que também deu a dica de assistir assistir vídeos. 

Sam Tricket possui mais de US$ 21 milhões de ganhos em torneios ao vivo

3 – Trabalhe duro

O dono de mais de US$ 21 milhões de ganhos em torneios ao vivo é bem claro: “você precisa estar preparado para trabalhar mais do que o próximo ou pelo menos tão duro quanto os outros”, disse. O inglês ainda complementou com o seguinte: “esses caras trabalham duro, jogam muito e conversam entre si para discutir as mãos. Esteja preparado para a quantidade de esforço que você terá que fazer para jogar nessas apostas e nesses jogos”, contou. Ou seja, mantenha-se bem atento aos oponentes e jogue duro com eles. 

4 – Se adapte aos adversários

É fundamental observar o comportamento dos adversários na mesa. “Entre com a mente aberta e pegue o máximo de informações possível”, aconselhou Sam. “Se você estiver bem descansado, jogará melhor. Quando se senta, pode tomar decisões sobre o que está vendo. Os jogadores jogam de maneira diferente o tempo todo, dependendo de pequenas coisas, como o humor que estão. Isso é por que me ajusto aos meus oponentes, sejam eles empresários ou profissionais, sempre fiz isso”, confessou à PokerNews. 

Como embaixador do partypoker, o inglês tem uma larga experiência em torneios high stakes

5 – Se mantenha estável 

No high stakes a variância é bem alta e para encarar isso da melhor maneira possível, sem se prejudicar no jogo, é importante se manter estável emocionalmente. O embaixador do partypoker compartilhou sua experiência. “Quando comecei a jogar high stakes, estava em Macau. É difícil não ser apegado quando as apostas são tão grandes e os potes são enormes. Quando você é eliminado, isso afeta o seu humor. Se você não jogou altas apostas antes pode ser realmente difícil quando você joga pela primeira vez, foi difícil no começo e eu não estava gostando porque estava envolvido emocionalmente”, revelou. “Você não pode ser assim como jogador de pôquer, especialmente nessas apostas. Se seu humor for afetado, seu jogo também poderá ser afetado”, alertou. 

6 – Não subestime os empresários

A dica preciosa de Sam Trickett na hora de estar frente a frente com grandes empresários nos feltros é simples: não os subestimem. “As pessoas sempre pensam que os empresários são piores do que são, mas são jogadores decentes que jogaram muito poker! Você ficará surpreso se não tiver jogado com eles antes”, comentou. Por isso, o craque analisa alguns erros cometidos nesta situação. “Os jogadores geralmente não jogam tão bem contra os empresários por acharem que são ruins. Eles não os blefam, por exemplo, porque pensam: ‘bem, ele é um bilionário, ele sempre paga, ‘quando, na verdade, não são tão ruins quanto você pensa e jogam muito bem’”, revelou. 

Agora que você escutou a voz da experiência, comente nas redes sociais do Mundo Poker qual estratégia você vai começar a aplicar no seu jogo.

Geral

Phil Hellmuth vence revanche contra Tom Dwan em novo grande duelo e recupera cinturão do High Stakes Duel

O maior campeão da WSOP voltou a ser o dono do High Stakes Duel e garantiu US$ 400 mil

Publicado

em

Postado Por

Phil Hellmuth

Foram sete vitórias consecutivas para Phil Hellmuth no High Stakes Duel. O duelo de heads-up entre o maior campeão de todos os tempos da WSOP e outros desafiantes só conhecia um campeão até 2021, quando o algoz Tom Dwan surgiu no caminho. O “Durrrr” foi o primeiro a vencer Hellmuth na competição, na oitava partida, e passou a ser o nome a ser batido.

Mas é claro que o antigo dono do posto não deixaria barato. Pouco depois da derrota, o Poker Brat já anunciava que iria fazer questão da revanche, que valeria um total de US$ 400 mil e o lugar no trono do High Stakes Duel. Pois bem, a partida aconteceu nesta última quarta-feira e as coisas voltaram a ser como eram.

LEIA MAIS: KSOP Fortaleza: No duelo de Midas no High Roller Light, Ramon Kropmanns leva fatiada de Gerson Braga em all in pré-flop gigantesco

Em uma partida com tudo o que se esperava, e bastante midiática, claro, Hellmuth conseguiu finalmente vencer o antigo carrasco para recuperar o lugar que custou tanto a sair. A disputa entre as duas lendas do poker foi marcada por uma boa runnada do maior campeão da WSOP, um certo azar de Dwan e, sempre, alguns tilts comuns de Phil.

A partida começou bastante equilibrada. Com tempo confortável, os jogadores trocaram algumas fichas e foi Dwan quem tomou uma pequena vantagem na liderança a princípio. Mas se a pressão de uma possível nova derrota poderia comprometer um pouco a estratégia de Hellmuth, uma boa runnada não permitiu que isso acontecesse.

Uma das principais mãos do duelo foi um exemplo disso. Com 74, o “Poker Brat” acertou uma trinca de 7 contra o TT de Tom Dwan e conseguiu puxar um grande pote, que deu uma vantagem expressiva para o dono de 16 braceletes da WSOP. Ele seguiu comandando o jogo e pouco depois resolveu as coisas.

High Stakes Duel III Round 2

“Isso é bom. Tom é apenas um dos maiores jogadores do mundo”, comentou o campeão. Hellmuth também comentou sua estratégia, dizendo que não gosta de fazer muitos blefes (e sim pegá-los), mas alterou a forma de jogo para deixar Dwan desconfortável, já que ele era realmente muito bom. Deu certo.

Na mão final, um clássico coin flip definiu a vitória para Phil Hellmuth. Seu AK superou o 88 de Dwan no board 52K66 e finalizou o confronto. Hellmuth voltou a ser o rei do High Stakes Duel. Porém, a história não terminará por aí. Isso porque Tom Dwan seguirá o exemplo do rival e já informou que exercerá o direito de revanche.

Ainda sem data para acontecer, a nova partida vai render US$ 800 mil para o campeão, o dobro do que Hellmuth garantiu ontem.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #02 do Poker de Boteco:

 

 

Continue Lendo

Geral

Jonathan Jaffe é campeão do Lucky Hearts Poker Open US$ 25.500 e garante bicampeonato consecutivo

Americano também havia vencido em 2020, mas faturou ainda mais nesta edição

Publicado

em

Postado Por

Jonathan Jaffe

Alguns jogadores de poker tem uma clara preferencia por uma forma de jogo. No caso do americano Jonathan Jaffe, ele é um dos que preferem o poker ao vivo e o profissional soma excelentes resultados na carreira. Agora, ainda ontem, Jaffe conseguiu mais um grande feito.

Ele foi o grande campeão do Lucky Hearts Poker Open, um high roller de US$ 25.500 que por si só já seria uma conquista excepcional. Nesta competição, o profissional dos Estados Unidos enfrentou um grande field de 93 pessoas e faturou enormes US$ 574.085.

LEIA MAIS: Com quadra, streamer implora por shove de rival, é atendido e se choca com derrota praticamente impossível

Mas não bastasse a grande vitória, Jaffe aumentou o feito. Isso porque ele era o atual campeão do torneio. A última edição, disputada em 2020, também havia sido vencida por ele. Na época, ele bateu os 41 jogadores do field e faturou US$ 340.285. Depois de ontem, ele se tornou bicampeão de maneira consecutiva, um feito raro.

Ele não pôde deixar de comemorar e comparar os dois: “este teve o field maior, mais dinheiro. Estou feliz com isso”, contou. Jaffe também acabou mantendo a humildade, dizendo que nunca havia runnado tão bem quanto hoje em um torneio high roller. “Eu continuava ganhando all-ins mesmo atrás e ia ganhando fichas. É uma sensação peculiar”, explica.

O profissional acertou um acordo com Joseph Cheong no torneio. Líder do HU, ele ficou com mais dinheiro, o troféu e o título de campeão. Cheong recebeu US$ 540.000 pelo vice-campeonato. Ele ainda contou um pequeno segredo que o faz se dar bem no torneio: “moro a 15 minutos daqui e adoro. Eu vou para casa para o jantar, e você simplesmente não pode superar isso”, brinca.

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio #02 do Poker de Boteco:

Continue Lendo

Geral

Poker de Boteco #02: André Akkari vê união do poker brasileiro como fórmula de sucesso: “diferente de qualquer lugar do mundo”

Entrevista do craque também relembrou o passado da carreira

Publicado

em

Postado Por

Lenda do poker brasileiro e um dos responsáveis por abrir um caminho poucos imaginavam ser possível, André Akkari continua imerso no mundo do poker. Morando nos Estados Unidos, mas por dentro de tudo o que acontece, o craque esteve no BSOP Millions no final do ano passado e foi um dos convidados do “Poker de Boteco”.

Com a simplicidade de costume e a facilidade de se expressar, a entrevista de Akkari teve várias passagens interessantes. Uma das primeiras perguntas de Ytarõ Segabinazzi foi sobre estar morando fora nesse período de pandemia. Sem torneios ao vivo por um longo período, o craque também não podia jogar virtualmente pelo fato do poker online ser proibido lá.

“É difícil. A melhor frase é “cada escolha é uma renúncia”. Você escolhe alguma coisa que te boicota ou não te permite fazer outras. A Flórida, onde eu moro, é a “Meca” do poker ao vivo no mundo hoje. Ela é maior que Las Vegas e qualquer outro lugar em termos de evento. No momento que fui pra lá passou muito pouco tempo e aconteceu essa tragédia mundial, acabei não podendo jogar”, lembra.

LEIA MAIS: Poker de Boteco #01: Paulo Joanello relembra a emoção do bracelete e surpresa ao chegar em casa: “nunca imaginei”

“Em contrapartida as coisas pararam aqui também (no Brasil), então não perdi tanto de BSOP e tudo mais”, contextualiza. “No online foi muito cruel pra mim. Eu vi todo mundo jogando, todo mundo curtindo, todo mundo ganhando e eu não podendo jogar”, disse Akkari. No entanto, ele encontrou uma forma de preencher essa lacuna.

“Eu fui vivendo a alegria dos outros. Eu via o Rafa ganhar e comemorava, Padilha ganhar e comemorava, Crema… foi legal. Viver a alegria dos outros também é uma grande alegria”.

Acostumado a viajar para Las Vegas e diversos torneios ao redor do mundo e agora morando nos Estados Unidos, Akkari foi perguntado sobre as diferenças do poker brasileiro para fora em questão de estrutura. Nesse momento, ele foi enfático ao afirmar que o Brasil não deve nada para nenhum lugar.

LEIA MAIS: Celeiro de grandes jogadores, Fortaleza recebe o KSOP pela primeira vez; conheça 10 destaques do estado

Após citar os responsáveis pelo BSOP, ele disse: “Eu não consigo ver organizadores de evento melhores, não consigo ver dealers melhores, jogadores melhores”.

Em outro momento, André contou sobre a contratação de Rafael Moraes pelo PokerStars e encheu o amigo de elogios, sem perder a chance de dar umas falinhas divertidas. “Família não é uma parada que você precisa nascer junto. A nossa sinergia é muito grande porque ele é uma pessoa muito do bem. Eu gosto de me conectar com pessoas de energia boa”, foram algumas das palavras.

O paulista precisou responder o que ele acha de melhor e de pior na comunidade do poker brasileiro. O que ele vê de positivo é a união e detalha como esse laço foi criado: justamente pela dificuldade da aceitação do poker no país. Isso se tornou um alicerce do sucesso na visão do craque.

LEIA MAIS: Com Michael Addamo, Vanessa Kade e Lex Veldhuis, Global Poker Awards revela os indicados em 26 categorias

“Por incrível que pareça isso ajudou o poker. Notoriamente, o poker não é um jogo de azar, mas a sociedade, se em algum momento não tivesse uma briga por ele, ia se confundir. Isso fez com que a comunidade do poker se unisse demais em volta de uma causa. Isso fez com que o poker do Brasil fosse diferente de qualquer lugar do mundo”, pontua.

Por fim, Akkari escolheu três pessoas que gostaria de sentar numa mesa de bar para tomar uma cerveja e brincou com o famoso meme “o Akkari caiu?”.

Confira o imperdível Poker de Boteco com André Akkari:

Para comprar e vender seus créditos de poker, indicamos a ROYALpag.com. Compre e receba em 5 minutos!

Confira o episódio do Depois do River #22:

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS