Slider
Siga-nos

A Regra (Não) É Clara

A Regra (não) É Clara: confira a apresentação da nova coluna do Mundo Poker

Elton CZ e Amanda Fontes vão abordar as regras do poker e tirar as dúvidas da galera uma vez por semana

Publicado

em

Me chamem de CZ. Alguns anos atrás, não importa quantos, eu fazia uma coluna mensal em uma revista importante do poker brasileiro. E agora, fui convidado pelo MundoPoker para criar um blog, e chamei minha co-diretora no KSOP,  Amanda Fontes, para se juntar a mim. Devo dizer que é um prazer e uma honra participar deste que é um dos maiores sites de notícias do ramo no país! Espero que todos gostem e participem mandando suas perguntas, sugestões e opiniões para o e-mail czmundopoker@outlook.com.

Para esta minha primeira participação, queria comentar sobre a evolução do poker e da organização de torneios em nosso país. Tive a oportunidade de participar da criação deste mercado desde o começo, e era visível que seria algo muito grande. O povo brasileiro adora qualquer tipo de competição, e o poker traz esse elemento em sua própria natureza. E minha previsão acabou se tornando realidade, com diversos clubes em todos os estados, e eventos que se tornaram alguns dos maiores da América Latina e até se destacando no mercado mundial.

Do início sem dealers até os grandes campeonatos de agora, muitas mudanças aconteceram, e mesmo assim em curto espaço de tempo, já que o próprio mercado não tem mais que 15 anos. Clubes de poker abrem e se estabelecem nas principais capitais do país, cidades vizinhas ou até no interior. Se você tem curiosidade, mas nunca teve coragem de visitar, pode ir tranquilo. Aquela imagem de uma mesa de poker com fumaça de cigarro e pessoas mal-encaradas e perigosas jogando fortunas, que ficou tão famosa em diversos filmes ao longo da história, é apenas ficção já que os clubes mantém um ambiente clean e tentam oferecer jogos para homens e mulheres de todas as idades. (acima de 18 anos).

Hoje em dia os principais eventos do mundo, como LAPT, PARTYMILLIONS, WSOP e WPT, já aconteceram e/ou acontecem no Brasil, demonstrando a importância de nosso mercado e a qualidade de nossos profissionais, que organizam campeonatos em nível semelhante aos principais mercados do exterior. E, além disso, também já temos dealers, floors e diretores, que levam nosso know-how para outros países como Argentina, Uruguai, República Dominicana, Bahamas e recentemente para o Chile, alguns dos quais inclusive, que eu tive o prazer de trabalhar.

Queria falar um pouco mais sobre este do Chile. Torneio BPL EXPERIENCE 150K (dólares), realizado no final de setembro. Uma parceria da Kings Eventos com a rede de cassinos Sun Dreams, e feito no Sun Monticello na cidade de San Francisco de Mostazal, a 57km da capital Santiago. Pela primeira vez na história, uma equipe brasileira participou de um evento neste país vizinho. Conseguimos nos integrar perfeitamente com a equipe local, e não só representar bem a qualidade da organização brasileira, como também entregar um evento de muito sucesso. Com a garra, o entusiasmo e a competência de nossos profissionais, não irá demorar muito tempo para conquistarmos o mundo todo!

E pra terminar, queria convidar todos a participarem da última etapa do KSOP – Kings Series of Poker – o torneio que desde sempre foi o +EV do Brasil, e hoje também já é considerado o melhor do país. Esta última etapa marca o fim do ranking 2019, que vai entregar diversos prêmios aos melhores classificados, e além dos 5 MILHÕES garantidos na etapa, ainda vai trazer algumas novidades gigantes para a temporada do ano que vem. De 06 a 13 de novembro, na cidade maravilhosa do Rio de Janeiro. Informações aqui mesmo no MundoPoker!! Venham!!!

"Um dos primeiros diretores de poker do Brasil, com 15 anos de experiência nacional e internacional"

A Regra (Não) É Clara

A Regra (NÃO) É Clara: Poker ao vivo em pausa, poker online em alta

Trabalho de quem faz o Poker acontecer, não para

Publicado

em

Postado Por

Fala galera do Mundo Poker, estou aqui de volta, em meio a essa quarentena, para falar um pouco do que tem acontecido no meio do poker durante esse recesso.

Como era previsto, o crescimento do jogo online, principalmente em dinheiro real, foi gigante! Com a obrigatoriedade do fechamento dos clubes e casas de poker, os jogadores ficaram órfãos de um lugar para pode ganhar umas fichas e roubar uns blinds.

LEIA MAIS: Dan Cates admite ghosting em high stakes, acusa outros de também trapacearem e recebe críticas de profissionais

Assim como muitos jogadores ficaram sem ter onde jogar ao vivo, muitos funcionários acabaram perdendo, provisoriamente, seus trabalhos, já que a renda da grande maioria era gerada através dos jogos live.

Restou então a opção, tanto para donos de clubes, como para dealers e funcionários, de buscar alternativas para não quebrar. E uma delas foi o uso da plataforma do PPPoker, que já era bastante utilizada antes da quarentena, mas que teve um “boom” na geração de novos clubes, ligas e jogadores em meio à crise.

O PPPoker é uma plataforma online que permite que você crie seu próprio clube ou home game, podendo promover sua grade de torneios, montar seu cash game e deixar tudo do jeito que você preferir. E o melhor, cobrando em dinheiro real de seus jogadores, evitando assim a oscilação do mercado.

Mudanças do salão para home office

Obviamente eu fui uma das atingidas pela crise, tendo em vista que trabalho em uma casa de poker no Rio de Janeiro, o Rio Poker Clube, além de dirigir torneios como KSOP, WSOP e outros que também foram suspensos e tiveram que alterar seu calendário.

Então eu, o Pedro Mello, dono do RPC,  e o Roger, diretor de torneios e floor nacional, decidimos montar uma sociedade e levar o nosso clube também pra essa plataforma, criando assim o RPC ONLINE. Nosso clube tem hoje em torno de 600 jogadores e não faz parte de ligas, além de possuir cadastro de todos os jogadores com nome, cpf e dados obrigatórios para permanência no clube.

Com esse clube online, oferecemos o cargo de AGENTE para todos os nossos funcionários, para que eles fizessem a própria renda ao longo dessa quarentena e isso acabou sendo um estímulo para eles, já que quanto mais clientes, maior sua renda.

Agora o foco é pensarmos em como será a volta aos feltros, para que esta seja feita com segurança, tanto para os funcionários como para os jogadores. Torneios 6-max? Divisórias entre as posições? Uso obrigatório de máscara? Kits com álcool em gel? Tudo isso deve ser pensado com calma para que a volta seja feita da melhor forma possível! Mas isso já é assunto pra próxima coluna né!?

Ahhh, antes de encerrar, quem tiver interesse em conhecer o RPC ONLINE, basta enviar uma mensagem no Whatsapp 21 98258-4326 para se cadastrar. Te espero

Continue Lendo

A Regra (Não) É Clara

A Regra (Não) é Clara: 2020 RECHEADO DE NOVIDADES!!!

Regras novas da ADTP, KSOP já começa bombando e a volta de um GIGANTE!

Publicado

em

Em meados de 2019, ocorreu na cidade de Las Vegas, capital do jogo no mundo, a Poker TDA Summit IX, reunindo alguns dos maiores nomes em direção e organização de torneios. Algumas regras foram introduzidas, outras descartadas ou alteradas, e alguns meses depois, fizemos a nossa versão brasileira na ADTP (Associação dos Diretores de Torneios de Poker).

Entre todas as discussões, uma das que finalmente chegou ao fim foi a do ANTE. Desde o final de 2017, quando foram criados o Big Blind Ante, e o Button Ante, se formaram correntes de opiniões diferentes, com defensores de ambos os lados. Não se discutiu isso anteriormente, pois o surgimento desses sistemas ocorreu após a TDA 2017. Porém agora, temos uma padronização recomendada, que ficou no regulamento assim:

“PR 11. Formatos de Ante. Sem redução do Ante.
Para sistemas de ante de um pagador, o Big Blind Ante (BBA), com a aplicação de o pgto do Ante primeiro, é recomendado. Os Antes não se reduzem à medida que o torneio progride (incluindo nas mesas finais).”

No próprio KSOP, utilizamos na temporada 2019 o button ante, porém, para este ano, já alteramos e seguimos o BB Ante, que com o passar do tempo se mostrou um sistema melhor e mais justo.  Aliás, a temporada 2020 do evento +EV do Brasil, já começou com grande sucesso, batendo todos os garantidos da primeira etapa no Rio de Janeiro. Com orgulho sou diretor deste maravilhoso evento desde 2016, e ano após ano, trabalho nele e acompanho seu crescimento e aperfeiçoamento. Nem o céu é o limite!!!   

VEGAS POKER CLUB

Vegas Poker Club

Falando em sucesso, queria aproveitar pra anunciar um retorno MUITO esperado. O famoso, e líder de mercado por tantos anos, VEGAS POKER CLUB, acaba de completar um mês de seu retorno. Em 2015, após vários anos bem sucedidos, o Vegas suspendeu as atividades por motivos de lei de zoneamento, e voltou somente agora. Porém, veio em um estilo totalmente inesperado. Localizado na Avenida Sumaré em São Paulo, ele agora ocupa dois prédios gigantescos, e oferece além de 50 mesas de poker, também bar, restaurante, shows, tudo em um visual que lembra os grandes cassinos de Vegas. Ao entrar no clube, você a principio não consegue acreditar em seus próprios olhos. Como Diretor de Torneios e Eventos do clube, convido todos a visitarem e jogarem em nossas mesas, ou simplesmente curtirem a noite. Como diz nosso slogan: O GIGANTE VOLTOU!!!

LEIA MAIS: A Regra (Não) É Clara: Amanda Fontes relata experiência como Floor no Caribbean Poker Party

E pra encerrar, lembro a todos que a segunda etapa do KSOP – Kings Series of Poker, será na fantástica cidade de Balneário Camboriú, (nossa casa), dos dias 25 a 31 de março. Venha, participe e além de ganhar prêmios nos torneios que disputar, este ano estamos dando UM CARRO por etapa. Sensacional!!!

Lembrando que meu e-mail: czmundopoker@outlook.com está sempre esperando mensagens com dúvidas, perguntas, reclamações e qualquer participação que vocês queiram fazer aqui na coluna. É sempre um prazer poder ajudar e conversar com todos. Abraços e até abril!!!

Continue Lendo

A Regra (Não) É Clara

A Regra (Não) É Clara: Amanda Fontes relata experiência como Floor no Caribbean Poker Party

A diretora de torneios do KSOP deu detalhes sobre a equipe internacional do evento

Publicado

em

Postado Por

(Crédito: partypoker LIVE)

Fala galera, Amanda Fontes aqui e nesta edição vou fazer um comparativo entre o que vivi em Nassau, durante o evento Caribbean Poker Party, com eventos que acontecem no Brasil de um modo geral. Vou falar sobre organização de evento, staff, buy-ins e muito mais. Tá curioso? Então, acompanha aí.

De 16 a 23 de novembro, o partypoker organizou o evento Caribbean Poker Party,  que incluiu a edição do Millions World. O evento rolou em Nassau, nas Bahamas, dentro do enorme resort Baha Mar. O evento, que já esteve no Brasil em março de 2019, contou com torneios de buy-ins bem altos, sendo um deles o Super High Roller Bowl, com US$ 250.000 de entrada, podendo reentrar (não tinha rake para entradas no 1o nível) e que teve um total de 51 entradas.

O evento principal teve um total de 948 entradas e o buy-in era de US$ 10.300 com um garantido de US$ 10.000.000, mostrando que a ideia desse torneio era sim um torneio milionário.

Ao longo do evento, que já tinha um cronograma definido e divulgado, os donos adicionaram mais dois eventos a pedido dos jogadores: um 25k Short Deck (além do já programado) e um 50k High Roller. E se por um lado eu achei que isso poderia prejudicar algum torneio da grade,  por outro achei interessante adicionar um evento a pedidos dos jogadores, ainda mais com valores altos como esses. Mas o que fica claro é que a ideia desse tipo de evento é, claramente, satisfazer o jogador. O partypoker disponibilizou uma área para os jogadores com comida e bebida liberada, além de brincadeiras extra poker, como totó (pebolim) e música.

Amanda em ação durante o evento nas Bahamas

Em contrapartida, a organização do evento pecou em detalhes que nessa altura do campeonato,  não tem mais porque errar. Situações como quantidade de time banks e duração dos mesmos foi uma delas, e isso demorou até o quarto dia do evento para ser definido. Erros em estruturas e horários que conflitavam com o site também foi alvo de reclamações, porém com bastante jogo de cintura dos diretores do evento tudo foi resolvido da melhor forma.

Pra finalizar queria falar um pouco sobre o trabalho dos dealers que estavam no evento. Tivemos em torno de 115 dealers, apenas uma brasileira, Ruany Sundin. Dealers de todo o mundo estavam aqui, americanos,  espanhóis, russos, tchecos, eslovacos, italianos, enfim. E não posso deixar de elogiar os procedimentos deles de um modo geral, em relação à distribuição e ao manuseio de fichas. A escola de cassino é realmente muito boa para trabalhar nesse sentido de postura e técnica, diferente do Brasil, onde o foco são as regras e procedimentos. Todavia, o comportamento “extra campo” e o tratamento dos dealers brasileiros é extremamente melhor que os estrangeiros. Durante o break, ou mesmo antes do torneio iniciar, vários dealers abandonavam suas mesas para beber água, conversar com jogador, bater foto, sem avisar a nenhum membro da organização e algumas vezes não vi a simpatia dos dealers com os jogadores.

De um modo geral, acho que os torneios nacionais estão realmente muito bons no quesito organização e têm um staff maravilhoso! Tivemos agora também o BSOP Millions que mostrou isso claramente. Um torneio que teve um total de 3315 entradas no Main Event e mais de 20.000 entradas somando todos os torneios. Um staff que contou com mais de 180 dealers, 14 floors, três diretores e uma imensa equipe de caixa, help desk, imprensa, material, coordenação, segurança, que com certeza envolveu em torno 300 pessoas.

Nossos profissionais hoje não deixam nada a desejar e o nosso campo de trabalho está cada dia mais competitivo. Hoje quem não busca se atualizar e melhorar dentro e fora das mesas está perdendo espaço! Então, não se acomodem!

Continue Lendo
Advertisement

MAIS LIDAS